Aquaslash (2019)

HORROR

– SINOPSE: Emoções e calafrios numa comédia louca que combina biquinis minúsculos e desmembramentos sangrentos, num mistério repleto de assassínios encharcados com cloro e sangue. (Sinopse retirada do IMDB)

Realização: Renaud Gauthier

Argumento: Renaud Gauthier

Nicolas Fontaine | Brittany Drisdelle | Nick Walker

“MATANÇA ABSURDA NO AQUAPARQUE”

THE GOOD: Um Slasher/Teen Movie / Comédia Negra típico para quem gosta deste tipo de terror sem conteúdo. Momentos divertidos e corpos desnudos. Muito sangue e sexploitation.

THE BAD: Argumento pouco claro, confuso e sem conteúdo. Personagens bidimensionais que se assemelham a caricaturas. Sequências pouco dinâmicas e representações muito pouco credíveis. Cenas românticas absurdas e cansativas.

FINAL VERDICT: Através do titulo parte-se logo do princípio que o conteúdo cinematográfico deste filme não seja para ser levado muito a sério. É o típico teen movie com um argumento escrito sobre o joelho, que nos dá a sensação que foi feito ao mesmo tempo que cada sequência era gravada. Como Slasher faz mal o seu serviço havendo, talvez, mais semelhanças com um Giallo. Tem sangue e sequências de desmembramentos bastante Gore, no entanto as sequências finais, que acabam por ser o motivo de toda a trama, tornam-se lentas e enfadonhas. O fim tenta ser surpreendente mas não salva o tempo perdido ao vermos esta obra cinematográfica de baixo gabarito.

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final:  (4/10)

Tetsuo: The Bullet Man (2009)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/06/p_tetsuo-the-bullet-man.jpg

Revs-Sems

SCI FI | ACTION | HORROR

– SINOPSE: Ao perder o seu filho num acidente de automóvel, um turbilhão de emoções violentas desencadeia uma reacção inesperada a Anthony e o seu corpo começa a transformar-se. Quando o assassino de Tom reaparece, Anthony começa a tornar-se numa massa de metal, uma arma humana alimentada por uma raiva incontrolável.

Realização: Shinya Tsukamoto

Argumento: Shinya Tsukamoto | Hisakatsu Kuroki

Eric Bossick | Akiko Monô | Yûko Nakamura | Shinya Tsukamoto

tentaculos

“THIRD TIMES THE CHARM”

THE GOOD: Este filme demonstra que filmes considerados um risco conseguem sair para o Mercado. O argumento é excelente, os efeitos especiais, a música, etc.

THE BAD: Eu não consigo encontrar nada de errado com este filme, mas lá está, este filme não é para todos. Muita gente vai olhar para o filme ou não vai gostar devido aos temas, outros devido à banda sonora, etc.

FINAL VERDICT: Tetsuo: The Bullet Man (ou Tetsuo 3) é um filme que consegue demonstrar o lado sujo da onda de filmes industrialistas / cibernéticos japoneses. Um “must” para ver! 🙂

tentaculos

Crítico(a): NecroSavant

Pontuação Final: Pontuação08 (8/10)

Tentáculos - DOWN

“QUANDO A RAIVA SE INSTALA”

THE GOOD: Os planos são fantásticos.
Há quem tenha dito coisas horríveis da edição e da fotografia mas na minha opinião o filme ganha justamente é nesses dois pontos (talvez porque pessoalmente goste deste tipo de estética).
O argumento é semelhante em termos de esquema aos outros dois filmes anteriores e mantem a ambiência cyberpunk viva.
A banda sonora (e não me refiro só ao tema dos Nine Inch Nails 😛 )
Bons efeitos especiais.

THE BAD: A prestação dos actores é no geral fraca. Na verdade só o actor principal (Eric Borrick) se safa.
A rapidez confundiu-me a dada altura.
Os diálogos por vezes não se percebem (porque estão num volume muito baixo ou porque são um pouco incoerentes).

FINAL VERDICT: Tetsuo, no seu todo, podia ser um vídeo documentário de uma banda industrial repleta de violência, sangue, raiva, vingança e com o conceito do Homem-máquina bem presente. Considero um filme muito mais sci-fi de estética cyberpunk que horror mas que me agradou bastante.
Se vão ver os dois filmes anteriores, aconselho a visualização deste The Bullet Man. Se já viram e estão na dúvida… vejam na mesma mas não vão com expectativas muito altas.

tentaculos

Crítico(a): Joana Queiroz

Pontuação Final: Pontuação06 (6/10)

Tentáculos - DOWN

“MAIS DO MESMO… MAS AINDA NÃO ENJOA”

THE GOOD: O som e a banda sonora são importantíssimos neste filme e não desapontam de forma alguma. Boa qualidade fotográfica, as cores, a vibração e a velocidade caótica de algumas sequências é adequada e obrigatória no filme em questão.

THE BAD: Não esperem um filme de horror, mas contem com uma boa dose estética com qualidade cyberpunk. A história inicialmente tem algumas semelhanças com a do segundo. Não é um filme para todos e apesar de não ser obrigatório, aconselho a verem os outros dois primeiro (mais importante ainda, apesar de não haver uma ligação directa, aconselho verem o filme de animação “Akira”, ajudará a compreenderem melhor a ideia do conceito do TETSUO – *Japonês para “Homem de Ferro”).

FINAL VERDICT: Um filme low-budget de acção e ficção científica Cyberpunk ao estilo Japonês. Apesar de ter gostado mais dos dois primeiros e do segundo filme “Body Hammer” ser o meu preferido, este “Bullet Man” cumpre com os seus objectivos. A banda sonora tem Nine Inch Nails, mas mesmo assim continuo a preferir as sonoridades do segundo filme. Para ver de mente muito aberta e sem preconceitos.

tentaculos

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final: Pontuação06 (6/10)

Tentáculos - DOWN

“CUT TO PIECES” FINAL SCORE: ★★★★✩✩✩ (6.7/10)

tentaculos

The Returned (2013)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/05/the-returned.jpg

Revs-Pess

DRAMA | HORROR | THRILLER | SCI-FI

– SINOPSE: Num mundo assolado por uma doença que transforma humanos em Zombies, os infectados podem levar uma vida quase normal injectando um medicamento retroviral. Os problemas do preconceito e do medo dividem a população e o caos instala-se quando o stock começa a tornar-se limitado. É nesse momento que a batalha dos infectados pela sobrevivência começa.

Realização: Manuel Carballo

Argumento: Hatem Khraiche

Emily Hampshire | Kris Holden-Reid | Shawn Doyle | Claudia Bassols

tentaculos

“HUMANOS OU ZOMBIES?”

Tentáculos - DOWN

THE GOOD: O argumento é muito bom e aborda questões sempre actuais como a descriminação social, podendo ser comparado com a nossa realidade. A forma como ainda tratamos indivíduos com doenças graves, diferenças estéticas ou raciais está muito bem caricaturizado no papel dos “retornados”.
As interpretações não sendo espectaculares são bastante aceitáveis.
Bom twist final, extremamente dramático.

THE BAD: Para quem estiver à espera do habitual filme de Zombies perseguidores à procura de cérebros poderá ficar muito desapontado. O “horror” não existe e a banda sonora é muito fraquita.

FINAL VERDICT: Antes de tudo é importante clarificar que este não é um filme de horror, a melhor forma de classificá-lo é como drama de ficção científica. Os “retornados” são a palavra técnica usada para identificar os infectados. Apesar de haver algumas similaridades estéticas com uma série televisiva ou com um telefilme (e que boa seria esta série), este “The Returned” tem um argumento bem elaborado e fácil de entender. Para além de fazer-nos questionar sobre os nossos próprios valores sociais, este filme aborda uma série de temas que habitualmente não são comuns neste tipo de filmes. A reviravolta final é excelente e só por causa disso dou mais meio ponto.

tentaculos

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final: Pontuação06.5 (6,5/10)

Tentáculos - DOWN

Zombie Hunter (2013)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/05/zombie_hunter.jpg

Revs-Pess

ACTION | HORROR | COMEDY | SCI-FI

– SINOPSE: O desenrolar desta história é passado num futuro distópico pós-apocalíptico onde a maioria dos seres humanos transformaram-se em Zombies, tudo por causa de uma droga chamada “Natas” (“Satan” ao contrário). Acompanhamos as pisadas de um homem que perdeu tudo, um vingador amargurado que conduz um Camaro com a mala cheia de armas e álcool, sempre à caça de “comedores de carne”, por desporto, prazer e na procura constante de redenção. Quando este se depara com um grupo de humanos sobreviventes, decide ajudá-los na busca de recursos. Mas um ataque surpresa obriga-os a fugir e põe em teste as capacidades do vingador.

Realização: Kevin King

Argumento: Kevin King | Kurt Knight

Martin Copping | Danny Trejo | Claire Niederpruem | Jade Regier | Jason Wixom

tentaculos

DANNY TREJO, ACÇÃO E ZOMBIES COR-DE-ROSA

Tentáculos - DOWN

THE GOOD: Não consegui encontrar nada de bom neste filme, a não ser algumas das interpretações que apesar de medíocres não são das piores que já vi.

THE BAD: O Danny Trejo continua a ser um péssimo actor. Argumento básico que mistura uma porção de filmes diferentes num só (Mad Max, Sin CityResident Evil, Texas Chainsaw Massacre, etc…). Efeitos especiais de péssima qualidade. CGI vergonhoso. É pouco divertido, por vezes enfadonho e quem esperaria uma compensação qualquer a nível visual aviso já que NEM SEQUER TEM MAMAS À MOSTRA ou gajos musculados. Para ajudar à festa a banda sonora é hedionda. Droga cor-de-rosa não é apenas estúpido.

FINAL VERDICT: Um verdadeiro filme “série B”, com um very low budget, numa tentativa infrutífera de ser uma espécie de comédia com acção e Zombie Horror, com um estilo similar ao dos filmes do Robert Rodriguez e do Quentin Tarantino. Poderiam ter feito uma coisa mais bem estruturada e divertida para compensarem o parco orçamento, só que infelizmente fracassaram e até conseguiram chatear-me um pouco.

tentaculos

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final: Pontuação02 (2/10)

Tentáculos - DOWN

The House Of The Devil (2009)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/05/house_of_the_devil.jpg

Revs-Sems

HORROR | MYSTERY

– SINOPSE: Nos anos 80, uma estudante do liceu (Samantha Hughes) aceita um pedido de emprego para tomar conta de crianças, só que afinal este vem a revelar-se uma coisa completamente diferente. Ao poucos e poucos acaba por chegar à conclusão que os seus clientes escondem um tenebroso segredo e que a sua vida poderá estar em jogo.

Realização: Ti West

Argumento: Ti West

Jocelin Donahue | Tom Noonan | Mary Woronov | Greta Gerwig | AJ Dowen | Dee Wallace

tentaculos

“A CULPA É DA LUA”

THE GOOD: O argumento: Uma jovem universitária que para sustentar a casa acabada de alugar responde a um anúncio de emprego como babysitter. A partir daí tudo se torna esquisito explodindo no final.
As interpretações são bastante boas.
A atmosfera e aura do filme são magníficas: um filme de 2009 que nos transporta directamente ao inicio dos anos 80. A cenografia é de tirar o chapéu, tudo pensado ao milímetro.
A score e música toda ela transpira anos 80.
Os efeitos especiais são revivalistas da época e bem executados (quero dizer, não são ridículos). Splatter à maneira antiga!
Por falar em atmosferas, vão ficar colados à cadeira, principalmente com o twist.

THE BAD: Não consigo encontrar nada de errado neste filme.
Para alguns, talvez os primeiros 40 minutos sejam lentos mas prometo que a coisa melhora MUITO.

FINAL VERDICT:The House of the Devil” foi o primeiro filme que vi do realizador Ti West (já fizemos, se se recordam, review ao seu último filme). Posso adiantar que em anos não via algo tão tenso, tão retro sem ser pretensioso, bem interpretado e que me com um final desarmante. Trata-se de um thriller bem assustador (pelo realismo da história em si) como um filme de horror no que trata a temática (cultos, neste caso um culto satânico) com a sua pitada de gore q.b.
Decididamente, este filme entrou para a minha lista de filmes de horror favoritos.

tentaculos

Crítico(a): Joana Queiroz

Pontuação Final: Pontuação08 (8/10)

Tentáculos - DOWN

“HORROR COM CABELOS NO RALO… E PIZZA DE MÁ QUALIDADE”

THE GOOD: Boas interpretações. Boa banda sonora e qualidade do som. Excelente enquadramento visual. Argumento simples mas misterioso e bastante psicológico. Bom jogo de luzes e sombra.

THE BAD: O argumento está longe de ser original e é um filme mais virado para um público que tenha vivido a sua infância ou adolescência na década de 80’s. Uma pessoa mais nova não conseguirá compreender a piada do filme e não se vai assustar muito. A lentidão de uma grande parte das sequências, os tiques ou a imaturidade dos actos das personagens não serão facilmente compreendidos pelo público mais jovem.

FINAL VERDICT: Um verdadeiro filme Retro com uma boa dose de mistério, especialmente indicado ao pessoal mais velho. Boas sequências visuais, um bom jogo de sombras e enquadramento que conferem uma atmosfera que transporta-nos rapidamente para um filme do Roman Polanski (especialmente da fase dos “apartamentos” – o “Rosemary’s Baby“, por exemplo)  e até consigo encontrar alguma da tensão gerada num “Shining” do Stanley Kubrik ou por um “Exorcist” do William Friedkin. No entanto não será um filme indicado para um público mais jovem e só por isso sinto-me um pouco obrigado a dar menos pontuação para não levar as pessoas ao engano, mas isso não invalida que não seja um bom filme de Horror à antiga. Para assistir de espírito aberto.

tentaculos

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final: Pontuação06.5 (6,5/10)

Tentáculos - DOWN

“A NOITE DO PRINCÍPIO DO FIM DO MUNDO!!!”

THE GOOD:  Confesso que quando sugeriram o filme para review da semana não fiquei nada motivado para o ver, pelo titulo pensei que seria algo do género “casa assombrada”, algo que pessoalmente acho detestável. Mas não é que o raio do filme é brutal, possívelmente dos melhores que vi nos últimos anos. O argumento é bastante simples, uma jovem estudante universitária aceita um trabalho como “babysitter” para pagar as contas, quando lá chega encontra uma casa no meio da floresta onde um sujeito sinistro que lhe diz que afinal não há bebé e que o trabalho é para cuidar da sua mãe, a miúda desconfiada lá decide ficar e a coisa começa a animar. O filme está mais perto de um thriller do que de um filme de terror, na primeira hora, passa-se tudo muito devagar e é basicamente um filme de exploração do desconhecido, passo a passo a miúda vai descobrindo pistas e começa a montar o puzzle do que está acontecer, nos últimos 20 minutos “all hell breaks loose” e tumba, tumba, tumba! A realização, fotografia e produção são excelentes, saliento do facto do filme ter sido feito para imitar as peliculas dos anos 80, está tão bem conseguido que há momentos em que pensamos que estamos a ver um filme do John Carpenter.

THE BAD: A única coisa que não gostei foi da interpretação do filho do casal.

THE FINAL VERDICT: Este filme tem todos os ingredientes que tornavam as películas de terror da nossa infância inesquecíveis e aterrorizantes, merece ser visto e revisto várias vezes. Para mim é um filme que vai ficar gravado para sempre na minha memória, a cena da “babysitter” a dançar pela casa com um walkmen ao som de um rock foleiro dos anos 80 é priceless, ou mesmo a imagem final com que Ti West nos deixa ao lançar os créditos, arrepiante. Quem não gostar deste filme não faz ideia do que é um filme de terror e merece ser lançado para um poço cheio de crocodilos esfomeados.

tentaculos

Crítico(a): M.

Pontuação Final: Pontuação09 (9/10) 

tentaculos

“CUT TO PIECES” FINAL SCORE: ★★★★✩✩✩ (7.8/10)

Tentáculos - DOWN

Nothing Left To Fear (2013)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/05/nothing-left-to-fear.jpg

Revs-Pess

HORROR

– SINOPSE: A familia de um sacerdote muda-se para uma vila no interior dos EUA, depois deste ter sido chamado para substituir o anterior Pastor da Igreja. A mudança para a nova casa parece feliz até a filha mais velha começar a ter pesadelos bizarros e acabar por apaixonar-se por um jovem da terra. Afinal há um segredo escondido e na pacata vila ninguém é o que parece.

Realização: Anthony Leonardi III

Argumento: Jonathan W. C. Mills

Anne Heche | James Tupper | Ethan Peck | Rebekah Brandes | Jennifer Stone | Clancy Brown

tentaculos

“INVOCAR O MAL É… APENAS GIRO”

Tentáculos - DOWN

THE GOOD: Boa qualidade de som e imagem, bons enquadramentos. Interpretações adequadas para o estilo de filme proposto.

THE BAD: Demasiado “romance”. CGI mal conseguido e pouco original. Argumento batido e muitas incongruências comportamentais nas personagens. Algumas sequências são demasiado compridas (dava a sensação de que tinham que fazer o filme durar).

FINAL VERDICT: A inicio fiquei com a sensação que este era um filme principalmente direccionado para o publico feminino, houve ali um momento “Twilight” que me arrepiou todo, felizmente, mais tarde acabei por perceber que havia um pouco mais de história do que um simples namorico de adolescentes com cio.

Apesar de tudo, a história poderia ter sido melhor aproveitada. Lembremo-nos que falamos de um filme baseado na realidade duma comunidade fundada por Alemães situada no Kansas, rodeada de histórias bizarras de morte que deram origem aos mais variados mitos urbanos. Partindo deste princípio, seria de esperar que o argumento pudesse ser mais elaborado, mas infelizmente não. Há uma série de sequências muito más na metade final do filme onde a irmã mais nova da protagonista, nesse momento possuída por um mal indescritível que se assemelha coincidentemente com uma versão mais tosca da personagem saída do filme “The Grudge“, persegue-a a ela, ao irmão e ao namorado a passo de caracol, enquanto eles que vão de carro estão constantemente a ser apanhados (talvez porque passam a vida para trás e para diante sem qualquer sentido lógico). O inevitável acontece e o irmão mais novo é apanhado (continuo sem perceber o porquê – passo de caracol, literalmente). Outra coisa imensamente absurda é a falta de imaginação em alguns pormenores, por exemplo: As portas das casas são assinaladas com um “X” feito com sangue para os possuídos pelo mal não entrarem – Não sei porquê mas lembrou-me o “The Village”; as vítimas da escolhida para ficar possessa pelo mal são clones das vítimas da miúda do “The Ring“; e poderia assinalar muitas outras coisas. A maior de todas as minhas dúvidas reside no propósito da invocação do mal, que é invocado para depois voltar a ser expulso de volta para onde veio. Então eu agora pergunto, PARA QUÊ INVOCÁ-LO?! Para dificultar-lhes a vida? Pela adrenalina? Então mais vale deixá-lo nas profundezas do Inferno.

O twist final está longe de ser original mas não é a pior característica a salientar. Se não tiverem mais nada para fazer podem dar uma vista de olhos porque é um filme tolerável. Decidi dar-lhe um 5 porque é medíocre e estou muito bem disposto.

tentaculos

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final: Pontuação05 (5/10)

Tentáculos - DOWN

SX_Tape (2013)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/05/sx_tape.jpg

Revs-Pess

HORROR | FOUND-FOOTAGE

– SINOPSE: Adam e Jill tentam apimentar a sua relação ao gravarem um filme de sexo numa mansão abandonada. Ao descobrirem que não estão sozinhos naquele lugar assustador, o casal descobre involuntariamente que certos filmes sexuais nunca deveriam ser feitos, assim que a sua excitante aventura se transforma numa luta desesperada pela sobrevivência.

Realização: Bernard Rose

Argumento: Eric Reese

Caitlyn Folley | Ian Duncan | Chris Coy | Diana García

tentaculos

FAZER UMA CASSETE DE SEXO AMADOR NUM HOSPITAL ABANDONADO É A PIOR DECISÃO DE SEMPRE

Tentáculos - DOWN

Neste “SX_Tape” (em que a ideia é a de soletrar o titulo da forma mais fútil possível) em primeiro lugar vem a excitação e depois é que vem o Horror (e é da mesma fórmula antiga não assustadora, com aquelas filmagens tremidas). Pouco mais é do que uma variante em forma de longa-metragem, do segmento inicial da segunda temporada da “FX´s American Horror Story “ (tirando o facto de que estas personagens ainda conseguem puxar mais para a necessidade de serem abatidas do que no “thrill-seeker” filmado com câmaras amadoras do Adam Levine). A contribuição de Bernard Rose ao vergonhoso subgénero “found-footage” é na sua maior parte um espectáculo feito com uma só mulher, interpretado por Jill (Caitlyn Folley), cujo namorado Adam (Ian Duncan) está constantemente a filmá-la. Jill é uma aspirante a artista, cujas pinturas de mulheres nuas com duas caras, tanto falam da sua candura sexual como prenunciam a sua dupla natureza maligna. Este último facto pode qualificar-se tecnicamente como um “spoiler”, mas o filme relata cada um dos seus movimentos com 10 minutos de antecedência, e baseia-se nos sustos repentinos como a maior parte das suas surpresas.

Como fica clarificado no filme introdutório do interrogatório da policia a Jill, o relacionamento termina com a morte de Adam. Primeiro, porém, o amantizado operador de câmera chega a gastar muito tempo gravando-se a si mesmo e a Jill, a praticarem sexo no apartamento onde vive, num vestiário de um pronto-a-vestir e num carro. As coisas ficam ainda mais “quentes” quando os dois dão de caras com um hospital abandonado onde, de acordo com Adam, as mulheres “perversas” costumavam fazer abortos. É um local que ambos concordam ser perfeito para uma das mostras de arte de Jill. É aí que eles o arrombam, fazem os “us” e “ás” com o assustador equipamento médico e com os brinquedos de crianças abandonados, e seguidamente Adam amarra Jill sobre uma mesa suja para mais algum sexo ao vivo. Infelizmente, o último pedaço de diversão acontece logo após Adam deixar a Jill sozinha por alguns minutos, em que ela é abordada por um fantasma feminino (e as filmagens da câmera ficam repentina e esquizofrenicamente desfocadas e distorcidas).

A estética “faux-vérité” de Rose não é mais nem menos assegurada do que em qualquer outra imitação do “Paranormal Activity” , proporcionando montes de pontos negativos e pouco favoráveis, através de corredores mal iluminados e porões sujos. Tal como no extremamente semelhante “Grave Encounters”, este “SX_Tape” gasta longas sequências sinuosas através do seu ambiente degradado, na ilegítima esperança de sugerir um passado de atrocidades psiquiátricas (desde paredes manchadas de sangue a mesas de examinação desviadas para os lados) que irão tentar compensar o facto de que nada está realmente a acontecer, à excepção visual de dois fantasmas estridentes a vaguearem em círculos.

Dois dos amigos de Jill eventualmente entram na acção como um meio de amplificar o elemento sexual da história (eles também são pessoas muito, muito excitadas) e funcionam como vítimas para a eventual confusão sobrenatural. No entanto, apesar da obsessão de Rose sobre a vontade de filmar sexo e daquele que parece ser o objectivo central, cuja história envolve mulheres que são punidas por indiscrições sexuais, “SX_Tape” não tem nada a dizer sobre o voyeurismo, dinâmicas de poder ou sobre questões de exploração e abuso do sexo feminino. Em vez disso, o filme da Rose é apenas outro “Found-Footage” estéreotipado e descartável, notável apenas pelo seu sensacionalismo “wannabe-porno”, podendo ser caracterizado como uma estratégia “excitante” para tentar ganhar dinheiro, que é simultaneamente gráfico e abaixo do esperado.

tentaculos

Crítico(a): NecroSavant

Pontuação Final: Pontuação03 (3/10)

Tentáculos - DOWN

Ahí Va El Diablo a.k.a. Here Comes The Devil (2012)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/05/here-comes-the-devil.jpg

Revs-Pess

HORROR | THRILLER

– SINOPSE: Um casal perde os dois filhos numa viagem de família perto de umas cavernas em Tijuana. As crianças reaparecem mas há algo de errado com elas, alguma coisa parece diferente. Algo sombrio acabará por se revelar.

Realização: Adrián García Bogliano

Argumento: Adrián García Bogliano

Francisco Barreiro | Laura Caro | Michele Garcia | Alan Ramirez

tentaculos

“SEXO, MORTE E PERVERSÃO NA GRUTA DO DIABO”

Tentáculos - DOWN

THE GOOD: Mulheres nuas, boa qualidade de imagem mas o operador de câmara era um bocado mau e turbulento. Pode-se destacar alguma originalidade no argumento especialmente graças ao “final twist”.

THE BAD: O filme é pouco dinâmico e aborrecido, tirando uma sequência ou outra que se destacam. Na primeira metade do filme as cenas eróticas e de sexo fingido são muito compridas, enfadonhas e pouco satisfatórias.
Os actores na sua maioria são maus, tirando o casal protagonista ou o detective da policia e mesmo assim só poderei classificá-los como medíocres.
A qualidade de som é péssima e por vezes demasiado ruidosa. Os 3 ou 4 temas que aparecem como banda sonora são uma autêntica porcaria.
Maquilhagens terríveis.

FINAL VERDICT: O filme é um “Low Budget” mas isso não invalida nada em relação às más interpretações, mau som e péssima banda sonora. Tem um ou dois pontos altos mas na sua maioria é um filme mauzinho. Sendo mais bem trabalhado e tirando melhor partido do argumento a coisa até podia resultar.
Os únicos momentos que destaco como positivos são:
– O “roça-roça” das lésbicas logo no inicio do filme
– A cena em que o casal decide arrombar a roulote do “louco pervertido” em que na qual acabam por matá-lo com uma frieza desmedida
– Aquela parte em que a amiga que toma conta de crianças começa a relatar o que se passou na noite em que ficou a tomar conta dos irmãos, alucinando com o Diabo e por fim apanhando os miúdos num farfalho incestuoso.
Não posso dar mais que quatro pontos e estou a ser amigo… 😉

tentaculos

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final: Pontuação04 (4/10)

Tentáculos - DOWN

Wolf Creek 2 (2013)

https://cuttopieces.files.wordpress.com/2014/05/wolf-creek-21.jpg

Revs-Sems

HORROR | THRILLER

– SINOPSE: O temível e sádico assassino Mick Taylor está de volta. Enquanto houverem turistas a passear nas zonas mais remotas da Austrália, a sua demanda por sangue estrangeiro continuará interminável.

Realização: Greg Mclean

Argumento: Greg Mclean | Aaron Sterns

John Jarratt | Ryan Corr | Philippe Klaus | Shannon Ashlyn

tentaculos

“EU QUERO É SANGUE E O RESTO É PAISAGEM… BORING”

THE GOOD: Efeitos especiais irrepreensíveis.
Boa banda sonora (música e score)
Boas interpretações (que é raro neste tipo de filme, aproveitem)
Os cenários, embora rocem o clichê deste tipo de filme, foram bem escolhidos.

THE BAD: O argumento. O psicopata rural mais que sádico que gosta de ver é sangue e morte, especialmente de turistas. E continua na mesma desde do primeiro filme. Corta ali, arranca acolá, tortura dali… Não há novidades.
A cena dos cangurus.
Final previsível. A sério, é.

FINAL VERDICT: Se “Wolf Creek” é um filme violento gráficamente, “Wolf Creek 2” não fica nada atrás. Desde já os Australianos estão de parabéns pela ousadia de saírem da concha dos dramas e romances. A nível pessoal, achei um filme com um argumento banal onde há sede de sangue, sadismo e mortes escabrosas. E para mim este tipo de filme torna-se chato e repetitivo.
Não é um “Hostel” nem um “Saw” mas se forem fãs de gore aconselho a visualização.

tentaculos

Crítico(a): Joana Queiroz

Pontuação Final: Pontuação04.5 (4,5/10)

tentaculos

“NEM OS CANGURUS ESCAPAM”

THE GOOD: Óptima qualidade fotográfica com base nas paisagens espectaculares da Austrália mais remota. Interpretações capazes (destacando a do assassino mais odioso e irritante de sempre, o actor John Jarratt consegue ser realmente enervante e era mesmo esse o objectivo). Em destaque: A cena dos cangurus é fria mas está muito bem feita e pode tornar-se bastante chocante para alguns.

THE BAD: Argumento pouco original e para um segundo filme esperava algo mais trabalhado. As sequências podem ser demasiado lentas ou demasiado rápidas o que confere muitas incongruências no ritmo. Pode tornar-se bastante chato.

FINAL VERDICT: Se és fã do primeiro filme e procuras exactamente a mesma coisa, nesse caso não desaponta. Se estás à espera de alguma coisa diferente ou de um argumento mais elaborado, nesse caso este não é para ti. Aconselho a quem gosta de violência gratuita. Não aconselho a quem gosta de cangurus.

tentaculos

Crítico(a): Luís Ribeiro

Pontuação Final: Pontuação05 (5/10)

tentaculos

“CUIDADO, ANDAM POR AÍ PAROLOS À SOLTA COM FACAS GRANDES!”

THE GOOD: Este é um slasher movie que não ambiciona ser algo de diferente, o meu ponto de vista sobre o filme é que consegue oferecer uma boa dose de gore e ultraviolência. Os cenários são bonitos a fotografia é excelente e os actores também são bonzinhos, a realização e produção estão acima da média. A família da minivan que nunca para e quase atropela as vitimas. 😀

THE BAD: O argumento é miserável, basicamente é um ripoff do primeiro Wolf Creek. As perseguições de carros por vezes são muito aborrecidos e quebram o ritmo do filme, alias o problema dele é mesmo o ritmo … basicamente o filme é : slash, perseguição, slash, slash, perseguição, slash, perseguição…. Etc…

FINAL VERDICT: Para slasher até é bonzinho, se não tivesse havido um primeiro filme até lhe dava uma pontuação mais alta mas eu detesto sequelas tipo copy/paste. Recomendo apenas para quem gostar de ver psicopatas atormentar pessoas e curta de gore.

tentaculos

Crítico(a): M.

Pontuação Final: Pontuação06 (6/10)

tentaculos

“CUT TO PIECES” FINAL SCORE: ★★★★★✩✩✩✩✩ (5.2/10)

tentaculos